Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Saída da Caixa

"Assim como a flor de lótus, todos temos a habilidade de crescer a partir da lama, florescer na escuridão e irradiar a nossa beleza ao mundo"

"Assim como a flor de lótus, todos temos a habilidade de crescer a partir da lama, florescer na escuridão e irradiar a nossa beleza ao mundo"

13
Out21

Já arrumaste as gavetinhas hoje?

publicado por Tânia Teixeira

Podia ser um título de um livro, podia ser o título de uma palestra mas, de facto, é apenas um título de um texto, cujo tema me toca particularmente: a Saúde Mental.

Como vai a tua cabecinha? Tens as gavetinhas arrumadas? Pensas demasiado? Sentes a tua mente conectada ao teu corpo de forma harmoniosa? Tantas perguntas poderia estar eu aqui a fazer, e todas elas seriam poucas. 

Muito se tem feito pela saúde mental, mas acredito que o caminho ainda é longo, cabe a cada um de nós contribuir para que este tema deixe de ser visto como um "bicho papão".

Este é daqueles assuntos, com os quais lido há muito, e por isso, é um dos temas que não me canso de falar. Toca-me não pelo seu nome pomposo, mas pelo estigma que ainda lhe está asssociado, e do qual também sofri. 

Ninguém pede para sofrer de depressão, ninguém quer viver a vida de forma aceleradíssima e em stress constante, ninguém gosta de ser apelidado de "maluco", só porque as ferramentas para gerir/viver as emoções, foram ausentes ou escassas. Mais empatia, precisa-se, claramente. 

Ninguém quer sofrer de um problema mental, porque foge aos padrões ditos normais, e até aceitáveis da sociedade, e por isso quando algo do género nos bate à porta, queremos sacudir como se de uma camada de pó se tratasse, em que através de um sopro ele voa para longe. Lamento... mas quanto mais sacudimos, mais o pó se entranha, e enquanto não aceitarmos isto, a vida colocar-nos-á, mais e mais pó em cima.

Ninguém quer ter este bicho como animal de estimação, ninguém quer dar colo às dores de crescimento, necessárias para atingirmos um nível superior. Desenganem-se os que ainda pensam, que problemas de saúde mental são unicamente para os fracos. Felizmente, todos somos dotados, desta "máquina" maravilhosa chamada cérebro, e por isso, qualquer um de nós pode sofrer de um distúrbio deste género.

Se estás a passar por uma fase menos boa, lembra-te que não estás sozinho(a), há sempre alguém que te pode ajudar. Pedir ajuda é um ato de humildade e um ato de amor próprio, é um ato que te engrandece e não diminui. 

 

358_1393.jpg

 

 

06
Out21

Vulnerabilidade

publicado por Tânia Teixeira
É um lugar desconfortável, e por vezes até sombrio. Deixa-te despido e desprotegido, quase como se alguém conseguisse ler claramente, todas as mensagens que a vida imprimiu em ti. Só queres fugir dele, e por isso, não permites que ninguém te faça lá voltar.
Vestes camadas e camadas de personas, mas não permites que te voltem a levar ali. Aquele sítio onde sentiste dor, onde sentiste medo, onde te sentiste sozinha, onde sentiste frio. É demasiadamente penoso lá voltar, porque perdes o chão, e tens medo da reconstrução.
Mas um dia percebes, que para haver sombra tens que ter sol. Percebes que a vida é dual, e que o ideal é atingir esse equilíbrio, para viveres bem. Tens que olhar para essa sombra, tens que te vulnerabilizar. Permite-te ficar sem chão, permite-Te ser/estar frágil, permite-te olhar para as tuas cicatrizes com benevolência 😊, e se tiver que doer mais um bocadinho que assim seja, aguenta mas liberta. Uma cicatriz sara de dentro para fora.
Aceita tudo, o bom e o menos bom. Porque por detrás da sombra, também há o teu lado luz, e aí, se não houver névoa, vais querer estar e permanecer. E agora com o sol no horizonte, a sombra parece muito mais bonita.
Sempre que puderes, sê vulnerável. Abre espaço para te conheceres mais a fundo. Descobrirás certamente coisas lindas.

374_1472.jpg

 

 

 

29
Set21

Encontros Especiais

publicado por Tânia Teixeira

pessoas que nos tocam na alma.

Há pessoas que só por existirem, já emanam para o Universo, energia da boa.

Já nos diz a música "há gente que fica na história, da história da gente", e não precisam sequer de falar muito, às vezes só até um olhar, um gesto, uma palavra...

Há pessoas que se cruzam connosco, quase como se de um encontro marcado se tratasse. Bom, o UNIVERSO tem de certeza mão nisto. Mas ainda bem que ele arranja um espacinho na sua agenda para estes encontros especiais. Encontros com propósito e sentido

Hoje recordo um encontro que a vida me ofereceu, com um ser que já não se encontra entre nós. Com um ser que com os seus lindos 80 anos me lia a alma, apenas com o seu olhar. Recordo com carinho o presente que um dia me ofereceu dizendo: "a coruja é sinal de inteligência", guardo-o como se de um tesouro se tratasse, e assim o é na verdade. E quando olho para ele, tenho a certeza que este ser maravilhoso (onde quer que esteja), sabe o quão importante foi para mim tê-lo conhecido.

Até um dia...

178_0787.jpg

 

 

22
Set21

Empatia por onde andas?

publicado por Tânia Teixeira

Desde miúda que sempre gostei de ajudar/apoiar os outros. Nascida no seio de uma família católica praticante, foi desde logo incutido em mim o lema "não faças aos outros o que não gostas que te façam a ti". Para mim sempre foi, e ainda o é (arrisco-me mesmo a dizer, que o é cada vez mais), um lema muito fácil de seguir. Não o faço por medo de represálias divinas, faço-o porque sou sensível ao sofrimento dos outros, sofrimento esse que hoje ou amanhã pode ser meu também.

A empatia é para mim algo urgente e necessário, por pessoas melhores, para um mundo melhor. Saber pormo-nos no lugar do outro, sentir as suas dores e alegrias, dá-nos outras perspetivas. Arrisco-me a dizer que se praticássemos mais este "exercício", o julgamento seria certamente, algo que perderia a sua força.  Quando tentamos "andar com os sapatos do outro", ficamos com a noção do seu contexto e das suas dificuldades. 

O sofrimento dos outros causa em mim desassossego e penso que com a idade, esta sensibilidade se vem intensificando. Acho que a maternidade também trouxe ainda mais esta consciência. Pensar que o meu filho possa sofrer nas mãos de quem a empatia não abunda, é algo que me deixa o coração apertado. 

Senti várias vezes esta falta de empatia na pele (literalmente), e sei o quão mau e devastador pode ser. Sofri de graves problemas de pele, e posso garantir-vos que empatia foi coisa que pouco ou nada senti ao meu redor. Nos meus tenros 21 anos, passei por um tratamento, que me deixou a cara em modo "obras de Santa Engrácia". Andava na universidade, e se a minha auto-estima já não era grande coisa, depois destes longos 8 meses, caiu para -500. Desde pessoas (que não conhecia de lado nenhum) a ofereceram-me gratuitamente diagnósticos de rua, a pessoas que ficavam chocadas a olhar para mim, com aquele olhar de pena/nojo...ou dizerem que devia comer menos chocolates, bem foi um pouco de tudo. Foi talvez o ano da universidade em que me hidratei mais, não com álcool, mas com as lágrimas que me caíam do rosto. Sim...foram umas belas litradas de lágrimas derramadas.

A falta de empatia continuei a senti-la, que era para não estranhar. Hoje falo disto com leveza, e humor, mas na altura fiquei completamente devastada. Fugia dos espelhos a sete pés, simplesmente não me reconhecia na imagem que via refletida. Demorei muito tempo a mudar isso em mim. Talvez se a empatia tivesse feito parte da equação, as mazelas teriam sido certamente, um pouco menos pronunciadas.

Com esta minha partilha, quero efetivamente apelar a mais empatia, a menos julgamento e a mais amor. Está nas nossas mãos, evitar enormes devastações emocionais e psicológicas. Dar amor é gratuito e faz milagres.

380_1483.jpg

 

15
Set21

Liberdade

publicado por Tânia Teixeira

Liberta-te...

Dos olhares

Dos burburinhos

Do que te desconecta de ti mesmo

Do que te tira o foco

Solta-te...

Das tuas amarras

Das amarras que te "ofereceram"

Dos preconceitos

Da "roupa" que não te serve

Daquela que te obrigaram a vestir

Larga...

O que não se adequa a ti

O que não te faz feliz

O que não te enche as medidas

O que não respeita a tua essência

E eleva-te...

Caminha no desconhecido, vestido de coragem

Vence os teus medos

Vence os teus preconceitos 

Vai devagar mas, liberta, solta e larga tudo o que atrasa a tua evolução.

Com uma bagagem mais leve, caminhas mais e melhor.

398_1538.jpg

 

 

 

 

08
Set21

Perdão

publicado por Tânia Teixeira

Em pequenos, somos ensinados a pedir perdão quando erramos com alguém. É um gesto importante, e de enorme nobreza e humildade. Mas pedir perdão não é exclusivo para se usar apenas com as outras pessoas. 

Quantas vezes nos agredimos e nos fazemos tão mal? Quantas vezes nos preenchemos de amargura, revolta, raiva  bloqueando a nossa evolução, crescimento e felicidade?

Já pensaste se nessas alturas também não deverias parar, e perdoar-te por seres tão injusto(a) contigo? Tantas vezes nos desculpamos aos outros, até por sermos quem somos, com receio de não sermos aceites. Andamos à margem de nós mesmos, afogando em águas alheias, aquilo que nos identifica, e nos faz brilhar.  Respira fundo e perdoa-te, por cada erro que cometeste/cometes, eles fazem parte do processo, sem eles não aprenderias. 

Perdoa-te por acumulares em ti sentimentos que te consomem energia e te levam à tristeza...

Perdoa-te quando não te sentes suficiente...

Perdoa-te por te deixares ir ao sabor do vento, acreditando que a revolta te defenderá para sempre...

Perdoa o que houver para perdoar, devagar e com calma, para que o caminho se faça de forma tranquila, e...

Nunca te esqueças de ter sempre à mão, o teu kit de amor próprio.

392_1522.jpg

 

04
Set21

"Ansiedade...para que te quero?"

Texto escrito pela Dra. Margaret Almeida

publicado por Tânia Teixeira

Será que sabe reconhecer os sinais da ansiedade?

Sabia que ter uma perturbação de ansiedade e vivenciar um ataque de pânico não é a mesma coisa?

Muitos são os que chegam à minha consulta e só depois de explicada a diferença entre estes estados emocionais, percebem que vivem com ansiedade há anos. Felizmente procuraram apoio psicológico.

Cada vez mais se fala na ansiedade e, nos desafios que esta perturbação traz para a vida de quem tem de conviver com os sintomas associados a ela.

Hoje vamos explicar para que serve este mecanismo biológico e emocional.

O cérebro foi concebido para nos proteger e tem como único objetivo: a nossa sobrevivência. Quando ele interpreta uma situação como sendo ameaçadora/perigosa, ativam-se no nosso corpo, todos os mecanismos energéticos que o colocam pronto para lutar ou fugir, tal como acontece com os animais. A pessoa fica num estado permanente de ativação e alerta, vendo e sentindo o perigo iminente onde ele não existe e, isto torna-se insuportável e desgastante na vida da pessoa.

Imagine o sistema de alarme da sua casa a disparar só porque passou uma mosca, e não quando entram os reais ladrões! Ninguém iria aguentar aquele barulho da campainha a tocar o tempo todo, pois não? Então imagine isto, diariamente, sem hora marcada, de forma inesperada e, em situações que se podem tornar prejudiciais para a vida da pessoa a nível social, profissional e pessoal.

Fisicamente o que acontece? O coração começa a acelerar, uma forte dor no peito aparece, suores quentes e frios fazem-se sentir no corpo todo, formigueiros nas extremidades do corpo, tonturas e, por fim o pensamento surge: “vou ter um ataque cardíaco e vou morrer”. Isto torna-se um ciclo vicioso que não acaba e destrói a vida da pessoa se não for tratado. Isto gera na pessoa um estado de hipervigiância permanente; uma angústia inexplicável de morrer; um medo extremo de ter ataques de pânico ou crises de ansiedade em momentos importantes para a vida da pessoa; onde uma tontura pode ser interpretada como um sinal de desmaio prestes a acontecer; as dificuldades respiratórias remetem para a possibilidade de asfixia e, logo à possibilidade da morte.

Quando o nosso cérebro lê os sinais exteriores de forma errada e/ou catastrófica, o pânico instala-se e traz consigo a taquicardia, os suores, hiperventilamos quando o que realmente ajuda é fazer o oposto: retirar o ar que inalamos muito lentamente na nossa expiração, levando assim à diminuição do ritmo cardíaco parando a crise de ansiedade ou o ataque de pânico.

Existem, no entanto, diferenças entre ter um ataque de pânico ou uma crise de ansiedade. De uma forma simples, o ataque de pânico está inserido na vivencia diária das crises de ansiedade ou estados de ansiedade.

A ansiedade é assim um estado mais prolongado no tempo, durando várias semanas, enquanto o ataque de pânico leva à sensação de que vamos morrer, a sensação de que o corpo se vai desligar a qualquer momento tal é a intensidade do que se sente fisicamente e, isto acontece num prazo de 1 minuto, gerando um pico emocional na pessoa, podendo durar 15-30 minutos.

Ninguém quer viver neste estado diariamente e por isso acabam por pedir ajuda. Geralmente começam por recorrer ao psiquiatra, achando que a medicação irá eliminar definitivamente a ansiedade. O problema é que isto se torna uma espécie de penso rápido, que funciona no momento de crise, mas não trata a raiz do problema, não muda crenças, não trabalha traumas, não ensina formas diferentes de lidar com as emoções e a gerir estados emocionais. A Psiquiatria e a Psicologia devem e podem andar de mãos dadas. Hoje em dia, existem formas de tratar a ansiedade. É sim, importante aprender a gerir a sua ansiedade, sobretudo num estado mais inicial da terapia, no entanto o objetivo último de qualquer Psicólogo é trabalhar com a pessoa a origem do que levou à presença e à necessidade destes estados emocionais na pessoa e, eliminar este estado de Hipervigilância e alerta mas, não a ansiedade que nos protege. Todas as emoções são importantes, desde que na dose certa.

Costumo dizer aos meus clientes que a ansiedade tem um papel importante na nossa vida, geralmente ela quer ajudar e alertar-nos para algo que é disfuncional na nossa vida e, que por algum motivo, ainda não fomos capazes de mudar e alterar.

Nunca é tarde para mudar! Nunca é tarde para conduzir a sua vida e, não se deixar ser conduzido por esta sua “amiga”...a ansiedade.

Procure ajuda, cuide de si e partilhe este texto com o maior número de pessoas. Queremos mais pessoas felizes e em paz consigo próprias.

foto dra Margaret.jpg

Drª Margaret Almeida

Psicóloga Clínica e Psicoterapeuta

EMDR| Brainspotting | IFS |SE | Hipnoterapia

www.margaretalmeida.com

31
Ago21

Choro

publicado por Tânia Teixeira

359_1395.jpg

 

Brotam lágrimas dos meus olhos. 

Sem saber porquê, aceito-as e deixo-as percorrer o meu rosto. São lágrimas emergentes, que corrompem de um choro contido, de um sofrimento oprimido.

Deixo-as cair, para que a minha alma se limpe e purifique.

Deixo-as cair para que o equilíbrio se restaure. Permito-me ser vulnerável, por muito que me sinta indefesa, diferente e até inferior.

Hoje escolho não mascarar mais a minha dor, hoje decido ser eu com todas as minhas fragilidades e imperfeições

A partir de hoje escolho aceitar e respeitar o meu sentir.

Escolho aceitar cada cicatriz, cada marca que a vida imprimiu em mim. 

Escolho olhar para o espelho e amar a imagem devolvida...

Porque hoje decido ser simplesmente EU.

 

 

25
Ago21

Por caminhos travessos...

publicado por Tânia Teixeira

168_0735.jpg

 

Caminhei por entre percursos sinuosos, nos quais apenas vislumbrava os espinhos, sem valorizar a existência das rosas.

Cada passo que dava, parecia em direção a nenhures. Sentia cada dificuldade como uma oportunidade de me afundar mais e mais na dor.

Os anos foram passando e a minha espiral de dor era alimentada pelo meu papel de vítima do destino. O sofrimento parecia crescer a cada dia, e eu parecia anestesiada, perante o desenrolar da vida

Mas um dia o sofrimento levou-me a um abismo, difícil de suportar. Tinha duas escolhas, ou me entregava a este marasmo de dor, ou decidia de uma vez por todas, levantar-me e enfrentar todos os meus fantasmas.

A química a que eu habituei o meu corpo, conseguia muitas vezes desviar-me do caminho certo. O meu corpo estava viciado em negativismo e stress, e querer contrariar isto levava-me a um processo de "quase ressaca". Estranho não é?? Difícil perceber de facto, mas era isto que acontecia.

Muitas vezes não me senti merecedora...

Muitas vezes não sabia estar feliz...

Não conseguia permanecer nesse estado durante muito tempo, porque o meu corpo procurava tudo o que o ajudava a voltar à velha química.

Mas depois de tantos quilómetros percorridos em direção ao meu EU, hoje posso dizer que tudo valeu a pena. A metamorfose que sofro a cada dia, leva-me à minha melhor versão, com cada vez mais ferramentas para lidar com as adversidades, agora sei que tenho forças para voar. E todos os dias vou voando um pouco mais alto, por vezes recuo, para ganhar balanço, para ter a certeza do caminho, mas sempre com o olhar preso ao céu. 

Cai, levanta-te, volta a cair e volta a levantar-te. A peristência faz de ti um vencedor(a). Só tu tens o poder de mudar o teu destino, e essa decisão tem que partir de ti, por isso pára de arranjar desculpas e começa, ontem já era tarde...

 

 

 

18
Ago21

Desapego

publicado por Tânia Teixeira

100_0448.jpg

 

 

Alguma vez tomaste consciência do quão apegados somos em relação a coisas, situações, pensamentos, emoções? Faz essa análise e vais certamente, aperceber-te que temos muitas vezes energia estagnada à nossa volta, que nada nos acrescenta.

Quantas vezes nos sentimos presos a bens materiais, que até já nem usamos, nem fazem grande falta, mas mesmo assim insistimos que devem manter-se bem perto de nós? Quase como se tapassem um buraco invisível, criado por carências negadas.

Convido-te a fazeres um exercício muito simples, em posição de observador atento. Olha à tua volta, que bens materiais são realmente necessários para ti? Seriam úteis para outras pessoas? Que pensamentos teimas em manter, que te causam sofrimento? Que relações são benéficas para ti? 

Eu seiii...é extremamente difícil desapegarmo-nos, quando há um envolvimento emocional forte. Mas o desafio é mesmo esse. O desafio está em contrariar esse sentimento as vezes necessárias, para que esse processo passe a ser feito de forma natural e sem pesos. Se é fácil?...pois, não é, mas é libertador, traz-te paz, traz-te tranquilidade, e acima de tudo é mais um dos processos que ajuda a priorizares-te acima de tudo e todos.

A vida é feita de ciclos, e o que hoje faz sentido, amanhã pode deixar de fazer, e está tudo bem, está tudo certo. O importante é aprender a selecionar e soltar, simplesmente deixar ir, abrir mão.

E o desapego é mesmo isto, é deixar ir, sem reservas, sem bloqueios, sem pesos...

Deixar ir com gratidão, por algo ter cumprido o seu propósito.

"Águas paradas não movem moínhos", todos precisamos de águas limpas e cristalinas a fluir na direção que escolhermos. E as silvas surgirão no caminho, o segredo está em não deixares que te agarrem e permaneçam em ti, interfirindo com o teu bem mais precioso

...a tua PAZ.

dandelion-2561575_640.jpg

 

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Favoritos

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub